Julho antecipa o mau agouro de agosto e traz uma mostra cheia de sangue, tripas e motosserras: o Palácio das Artes apresenta “Anatomia do Medo: Terror dos Anos 80”, com clássicos como O Iluminado, A Hora do Pesadelo, A Mosca e Hellraiser. O nosso redator em campo, Guilherme Reis, conferiu a mostra e fez um relato de estranhos acontecimentos envolvendo a sessão. Preparado?

“Amantes do terror, uni-vos!

Um a um, pé ante pé, as pessoas foram descendo as escadas com aquele sorriso nervoso no rosto. O hall estava cheio mas o ambiente era silencioso. Me aproximei de um balcão e um homem de olhos mortiços estendeu a mão segurando um papel sem dizer absolutamente nada. Peguei o ingresso de sua mão e me juntei à fila. Estava quase na hora e um misto de excitação e temor tomava conta de todos. Foi quando duas portas pesadas se abriram revelando uma multidão que, com um semblante sério, saía ordenada e quieta.

A fila começou a andar e a impressão foi de que éramos gado a caminho do matadouro. Presos em nossas mentes amedrontadas, todos olhávamos para a entrada: um corredor escuro onde um homem magro e de olhos cansados recolhia os ingressos. Já não dava mais para disfarçar o nervosismo e o medo antecipado.

“Ainda dá tempo de irmos embora, você não precisa fazer isso”, disse uma mulher para o seu namorado. O homem não falou nada e nem sorriu, apenas segurou a mão de sua companheira com força e sumiu naquele corredor escuro. Olhei para o homem magro e ele gesticulou para que eu me aproximasse, mas neste momento foi como se meus pés tivessem criado raízes no chão e a hesitação me imobilizou. Então senti dedos cadavéricos repousando gentilmente em meu ombro! Olhei para trás e um homem alto, trajado de preto, usando um chapéu igualmente escuro me olhou com seus olhos brilhantes e disse: “é a sua vez”. Minha surpresa foi tão grande e o susto foi tão notável que o homem começou a rir uma gargalhada calma e vagarosa, e no reflexo de me afastar dele, entrei pelo corredor como se eu nunca tivesse tido escolha. Uma vez dentro daquela sala pouco iluminada, percebi que não havia mais volta.

Como um inseto atraído pela luz fui em direção a uma poltrona vermelha (cor de sangue, claro) no meio da sala, bem em frente a uma enorme tela. Pouco a pouco os demais lugares foram ocupados e a apreensão de todos era quase palpável.

Foi quando começou.

Durante duas horas todos fomos testemunhas de cenas aterrorizantes vindas das profundezas dos anos 80 e, em um verdadeiro festival de sangue, misticismo e terror, era possível ouvir desde gritos assustados até gargalhadas histéricas.

Foi assustador. Foi quase traumático. Foi sensacional.
Mal posso esperar para voltar amanhã.”

A mostra Anatomia do Medo: Terror Anos 80 tem entrada gratuita e fica em cartaz no Palácio das Artes até o dia 29! Confira a sinopse dos filmes em cartaz aqui e a programação aqui.

 

Quando a Bolt começou em 1999, o digital no Brasil engatinhava. E a Bolt viu o digital passar de coadjuvante a determinante no comportamento das pessoas e na maneira como elas se relacionam, entre si e com as marcas. Viver tudo isso muito de perto é ter conhecimento para explorar todas as possibilidades – e isso abriu a nossa visão de mercado e o nosso leque de serviços.

É o Terror

Bolt Brasil

Quando a Bolt começou em 1999, o digital no Brasil engatinhava. E a Bolt viu o digital passar de coadjuvante a determinante no comportamento das pessoas e na maneira como elas se relacionam, entre si e com as marcas. Viver tudo isso muito de perto é ter conhecimento para explorar todas as possibilidades – e isso abriu a nossa visão de mercado e o nosso leque de serviços.

Categoria: Cultura e Diversão
0
5097 visualizações

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *