“O conteúdo que não se propaga está morto”. Quer que a sua ação realmente funcione? Tenha em mente que o mais importante no ambiente web atual não é a aderência, ou seja, quanto tempo uma audiência fica parada em um site ou quantos cliques um link tem – mas sim a propagabilidade.

A propagabilidade é uma “medida” do quanto um texto é interessante para as audiências passarem adiante, propagarem, compartilharem, comentarem, enfim, fazerem com que a sua ação vire assunto (o que provavelmente vai fazer dela um sucesso).

Uma forma bem comum de chamar o conteúdo que desperta esse interesse é o termo “viral”; mas o estudioso Henry Jenkins, referência em transmídia explica em seu “Cultura da Conexão” o quanto essa visão é limitada e contraditória. Em resumo a ideia é a seguinte: quando se fala em “Viral”, presume-se que tal conteúdo se espalha pela rede sozinho, passando de um usuário a outro como uma epidemia. Só que sabemos que isso não reflete o comportamento real da audiência. A audiência tem um papel de ação fundamental aí – ninguém clica o botão share depois de ver algo misteriosamente “irresistível”, mas sim decide compartilhar determinados conteúdos ao invés de outros. Se expressa, escolhendo para isso conteúdos que falem com suas emoções, que conversem com suas linguagens e referências, que espelhem seus hobbies, interesses, visões de mundo. E propada isso tudo.

Ao pensar no conteúdo para web, melhor então esquecer as práticas manjadas de promoção de marca. O caminho parece ser conhecer o público que você quer atingir e aí planejar um conteúdo interessante e propagável. Um conteúdo, quando é propagado, ganha força – e o impacto da sua mensagens aumenta e se expande nessa movimentação entre pessoas e comunidades.

Quer dar um up na propagabilidade do seu conteúdo? A gente fez uma lista de pontos importantes que podem ajudar:

1- A propagabilidade segue a lógica do “quanto mais você entrega, mais você ganha de volta”. Se você não oferece nada, provavelmente não vai ter nada em retorno. Quer sua marca falada ou que o público use uma hashtag que a promova? Entregue para o público algo que realmente interesse ou engaje;

febre_colossal

2- O seu conteúdo tem mais chance de atingir o alvo e ser propagável se for criado para ter circulação fácil e simples. O compartilhamento informal é a grande marca do momento web atual. Não tente prender o seu público só ao seu site, ou criar um aplicativo ou uma plataforma que só funcione para a sua ação, mas procure espalhar o seu conteúdo e se apropriar da melhor forma das plataformas que já são amplamente usadas. YouTube, Facebook e Twitter estão aí pra isso mesmo;

3- A propagabilidade é um modelo emergente e por isso mesmo, instável, de circulação. Fique de olho: algo que engaja hoje, pode não engajar amanhã, algo que está sendo muito falado hoje, amanhã já era. Mantenha-se atualizado;

4- A propagabilidade é baseada no fluxo de ideias. Promova isso. A audiência quer participar e adora ser convidada. Ela não é apenas consumidora das mensagens, mas sim um agente poderoso que está moldando, compartilhando, reconfigurando e remixando os conteúdos que passam pela sua timeline.

5- Para se pensar uma ação online é importante ter rapidez. Quanto mais o seu conteúdo se propaga, mais rápidas são as interações. Uma marca que conversa com a sua audiência e responde na mesma velocidade dos usuários das redes sociais, dá muito mais força para a ação!

Quer um exemplo de sucesso? A ação #BatataElegante da Ruffles – que não por acaso mostrou um pouco disso que falamos acima. Uniu o correio elegante junino ao Dia dos Namorados e aos apps de namoro, criando uma ação divertida e inteligente no Twitter. Com bom humor e muita velocidade nos replies, o perfil oficial da Ruffles trocou cantadas com várias arrobas usando a hashtag #BatataElegante, e entre as interações estavam várias marcas que logo entraram na brincadeira. A ação foi pensada pela Wunderman Brasil. Coisa bem feita, daquelas que dá gosto de ver 😉

rufflesprint1

rufflesprint2

rufflesprint3

rufflesprint4

rufflesprint5

Sócio fundador e CEO da Bolt Brasil, atuando como Diretor de Criação, graduado em Design Gráfico pela Universidade Estadual de Minas Gerais, pós-graduado em Gestão Estratégica em Marketing pela PUC-MG. Premiado em inúmeros festivais brasileiros (Bienal de Design Gráfico – ADG, Clube de Criação de São Paulo, Clube de Criação de Minas Gerais, Prêmio About de Comunicação Integrada, Prêmio MMOnline – MSN) e internacionais (Festival Internacional de Cannes, Festival Internacional de Londres, One Show Interactive – Nova York). Criou e coordenou o Quinta Digital por 3 anos, que já passou pelas cidades de Uberlândia, Juiz de Fora, Divinópolis e João Pessoa-PB. Foi professor de Direção de Arte no curso de Comunicação Digital e Hipermídia da UNI-BH por 2 anos e palestrante em diversos eventos. Atualmente é professor da disciplina Mobilidade e Produção de Sentido no MBA em Comunicação e Marketing do IEC – Puc Minas, professor da disciplina Dinâmica das Agências Digitais na Pós-graduação UNA, Presidente da ABRADi-MG (Associação Brasileira de Agentes Digitais – Minas Gerais) e Diretor da ABRADI Nacional (Associação Brasileira de Agentes Digitais).

O caso de amor entre a batata elegante e a propagabilidade

Alexandre Estanislau

Sócio fundador e CEO da Bolt Brasil, atuando como Diretor de Criação, graduado em Design Gráfico pela Universidade Estadual de Minas Gerais, pós-graduado em Gestão Estratégica em Marketing pela PUC-MG. Premiado em inúmeros festivais brasileiros (Bienal de Design Gráfico – ADG, Clube de Criação de São Paulo, Clube de Criação de Minas Gerais, Prêmio About de Comunicação Integrada, Prêmio MMOnline – MSN) e internacionais (Festival Internacional de Cannes, Festival Internacional de Londres, One Show Interactive – Nova York). Criou e coordenou o Quinta Digital por 3 anos, que já passou pelas cidades de Uberlândia, Juiz de Fora, Divinópolis e João Pessoa-PB. Foi professor de Direção de Arte no curso de Comunicação Digital e Hipermídia da UNI-BH por 2 anos e palestrante em diversos eventos. Atualmente é professor da disciplina Mobilidade e Produção de Sentido no MBA em Comunicação e Marketing do IEC – Puc Minas, professor da disciplina Dinâmica das Agências Digitais na Pós-graduação UNA, Presidente da ABRADi-MG (Associação Brasileira de Agentes Digitais – Minas Gerais) e Diretor da ABRADI Nacional (Associação Brasileira de Agentes Digitais).

Categoria: Estratégia
0
4329 visualizações

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *