Até o final de outubro a Casa Fiat de Belo Horizonte promove o Programa Educativo Re-conhecimento – a Gravura Norueguesa Contemporânea, em que os apaixonados por artes plásticas e os leigos curiosos podem, através de mostras e oficinas, conhecer um pouco mais sobre as técnicas e particularidades dos artistas dessa nacionalidade.

Nosso repórter cultural em campo, Guilherme Reis, fez um dos muitos percursos propostos pelo Programa e, numa prosa reflexiva, nos conta o que você pode esperar ver por lá.

“Vivemos em um mundo de mensagens rápidas e significados particulares. E a arte contemporânea, tentando buscar novos significados para o mundo, se apropria e renova técnicas clássicas; se volta à reflexão existencial e passa a fazer parte de si própria – extrapolando sentidos lógicos e encontrando refúgio em uma convicção interna. É assim que o espectador é levado ao “reconhecimento” da imagem, identificando e dando sentidos em nível particular e de modo generalizado.

A partir desse conceito, me lembro de artistas contemporâneos e suas tentativas de ressignificados: a performática sérvia Marina Abramovic e suas tocantes intervenções enveredam pelo lado introspectivo da arte, enquanto o artista misterioso Banksy, com suas obras apelativas e imagens remixadas faz pesadas e sérias críticas sociais. Com esses dois em mente, entro na exposição Re-Conhecimento – A Gravura Norueguesa Contemporânea.

A exposição, que acontece na Casa Fiat de Cultura é a última de uma série de exposições organizadas por Jens Olesen, Consul da Noruega. A mostra apresenta a variedade e a versatilidade artística na arte contemporânea norueguesa, com um total de 100 obras de 21 artistas diferentes, mostrando as duas últimas décadas da arte no país.

Logo na entrada da exposição, as cores da bandeira da noruega indicam o caminho para as obras e a decoração branca com luzes azuis remete ao longo inverno da Noruega, (que pode durar 9 meses). As obras expostas são de artistas já consagrados na história das artes gráficas do país, e de novas gerações de autores que iniciaram suas jornadas no campo da busca por novos significados e possibilidades de criação.

As imagens impressionam e intrigam: figuras complexas, repletas de efeitos de iluminação e movimento que em um primeiro momento parecem ter sido feitos com tela e tinta, são na verdade serigrafias, xilogravuras e litografias. O clima frio e, muitas vezes, escuro da Noruega também está presente.

Claro que o norueguês pioneiro do expressionismo Edvard Munch, imortalizado ao pintar a angústia e o desespero existencial na obra de “O Grito”, não poderia ficar de fora. É possível ver de perto sua obra “O Beijo”, xilogravura expressionista que transmite a ideia da fusão de dois seres através de um sentimento.

Por fim, é possível aprender um pouco mais sobre os métodos de confecção de uma xilogravura em um curto documentário nacional sobre o tema. O vídeo de aproximadamente seis minutos esclarece algumas dúvidas sobre a técnica, facilitando o entendimento do processo criativo dos autores.”

O Programa Educativo Re-Conhecimento – A Gravura Norueguesa Contemporânea fica em cartaz na casa Fiat de Cultura até o dia 25 de outubro! Confira a programação e mais informações aqui.

Sócio fundador e CEO da Bolt Brasil, atuando como Diretor de Criação, graduado em Design Gráfico pela Universidade Estadual de Minas Gerais, pós-graduado em Gestão Estratégica em Marketing pela PUC-MG. Premiado em inúmeros festivais brasileiros (Bienal de Design Gráfico – ADG, Clube de Criação de São Paulo, Clube de Criação de Minas Gerais, Prêmio About de Comunicação Integrada, Prêmio MMOnline – MSN) e internacionais (Festival Internacional de Cannes, Festival Internacional de Londres, One Show Interactive – Nova York). Criou e coordenou o Quinta Digital por 3 anos, que já passou pelas cidades de Uberlândia, Juiz de Fora, Divinópolis e João Pessoa-PB. Foi professor de Direção de Arte no curso de Comunicação Digital e Hipermídia da UNI-BH por 2 anos e palestrante em diversos eventos. Atualmente é professor da disciplina Mobilidade e Produção de Sentido no MBA em Comunicação e Marketing do IEC – Puc Minas, professor da disciplina Dinâmica das Agências Digitais na Pós-graduação UNA, Presidente da ABRADi-MG (Associação Brasileira de Agentes Digitais – Minas Gerais) e Diretor da ABRADI Nacional (Associação Brasileira de Agentes Digitais).

Re-Conhecimento – A Gravura Norueguesa Contemporânea

Alexandre Estanislau

Sócio fundador e CEO da Bolt Brasil, atuando como Diretor de Criação, graduado em Design Gráfico pela Universidade Estadual de Minas Gerais, pós-graduado em Gestão Estratégica em Marketing pela PUC-MG. Premiado em inúmeros festivais brasileiros (Bienal de Design Gráfico – ADG, Clube de Criação de São Paulo, Clube de Criação de Minas Gerais, Prêmio About de Comunicação Integrada, Prêmio MMOnline – MSN) e internacionais (Festival Internacional de Cannes, Festival Internacional de Londres, One Show Interactive – Nova York). Criou e coordenou o Quinta Digital por 3 anos, que já passou pelas cidades de Uberlândia, Juiz de Fora, Divinópolis e João Pessoa-PB. Foi professor de Direção de Arte no curso de Comunicação Digital e Hipermídia da UNI-BH por 2 anos e palestrante em diversos eventos. Atualmente é professor da disciplina Mobilidade e Produção de Sentido no MBA em Comunicação e Marketing do IEC – Puc Minas, professor da disciplina Dinâmica das Agências Digitais na Pós-graduação UNA, Presidente da ABRADi-MG (Associação Brasileira de Agentes Digitais – Minas Gerais) e Diretor da ABRADI Nacional (Associação Brasileira de Agentes Digitais).

Categoria: Cultura e Diversão
0
2089 visualizações

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *